domingo, 7 de setembro de 2014

Passeio em Buenos Aires e conhecendo Bariloche

Bom, o que eu posso dizer? O título fala por si só... Tenho uma nova paixão: A Patagônia e a neve.

Veja como foi a minha viagem por Bariloche na Argentina. O que fazer em Bariloche, onde ir, quando ir, onde comer. A cidade que me conquistou, o lugar que me apaixonei. Lugar de pessoas educadas, de vistas de tirar o fôlego, onde se pode aproveitar tanto no inverno com a neve, tanto no verão.



Para mais imagens, clique aqui.

(essa viagem aconteceu em meados de 2012)

Dica de roteiro para meio dia em Bariloche:

- Pegar um taxi do aeroparque de Buenos Aires até o Obelisco
- Compras no 25 horas
- Passeio na casa Rosada e Puerto Madero
- Almoço em Puerto Madero (La Parolaccia)
- Passeio na Puente de la Mujer
- Voltar ao aeroporto
- Passeio no centro cívico de Bariloche
- Passeio na Rua Mitre
- Jantar na Mitre (fondue La Marmita)

Meu diário de bordo passo a passo

Primeiro dia

Todos os integrantes estavam no meu apartamento em SP e o taxi veio nos buscar no horário marcado (o vôo era as 5:50AM e o taxi foi agendado para as 2:30AM).

Chegamos ao aeroporto, fizemos checkin e despachamos as bagagens, passamos pela polícia federal (se for sair do país com uma pessoa menor de idade e sem os pais dela, é necessário uma documentação).

Passando da polícia federal e o raio x está o Duty Free. Aproveitem, os preços do duty free de saída do Brasil no aeroporto de Guarulhos tem os preços ótimos (diferente do aeroporto de Curitiba), tomamos café ali no aeroporto mesmo.

Pegamos o avião e fomos até o Aeroparque de Buenos Aires num vôo de 3 horas de duração, passamos pela imigração e pelo duty free (aqui o duty free tem o preço ruim).

Nesse aeroporto a gente pegou a bagagem e tivemos que fazer um novo checkin e um novo despacho de bagagem. Depois de ter feito isso, como o nosso vôo para Bariloche era apenas as 19:35 da noite, pegamos um taxi até o centro de Buenos Aires (até o obelisco, deu 50 pesos). Ali tiramos várias fotos e fomos caminhando até a casa rosada.

No caminho paramos numa loja 25 horas, onde o preço está exorbitante (3 milka, lay's e mais umas guloseimas: 100 pesos). Aí já estava na hora do almoço.

Depois de fotos na casa rosada, fomos caminhando até puerto madero onde almoçamos no restaurante LaParolaccia Casa Tua (cuidado, tem 2 restaurantes La parolaccia em puerto madero: 1 de massa e 1 de frutos do mar... nós fomos no de massa).

O atendimento é excelente e a comida é deliciosa. Alias, não espere por pessoas educadas em Buenos Aires.

Ahhhh, uma coisa importante: das 6 pessoas que viajaram, 2 tinham celular da vivo, 2 claro e 2 tim... Apenas o celular vivo (com uma empresa equivalente: Movistar) funciona lá, tanto em Buenos Aires, quanto em Bariloche.

E o 3G não funcionou em nenhum dos celulares (ou seja, não vá dependendo de internet no celular, porque vai ficar na mão). O que significa que você vai pedir sempre a senha do wifi onde tiver.

Depois do almoço delicioso, fomos ao porto, tiramos fotos na Puente de la Mujer, brincamos com um cachorro muito simpático (todos os cachorros de Buenos aires e de Bariloche parecem treinados, são lindos e muito carinhosos), pegamos um taxi e voltamos para o aeroporto (mais 50 pesos). Depois do raio-x não tem duty free porque é um vôo nacional.

O vôo atrasou cerca de meia-hora por conta de um atraso em outro vôo que vinha do Paraná e tinha pessoas que iam pegar o mesmo vôo que a gente.

Pegamos o avião e fomos até Bariloche num vôo com duração de 2 horas (Bariloche é no meio do nada, como era noite não podia se ver NADA). Chegando no aeroporto de Bariloche (que também não tem duty free nem na saída nem na entrada porque é vôo nacional) pegamos nossa bagagem e fomos procurar um taxi.

Lá tem dois serviços: o taxi e o remise. O remise tem valor fechado e é mais barato que o taxi, porém o carro não tem identificação como o taxi. Mas nós utilizamos o serviço sem problemas. Valor fechado de 70 pesos até qualquer hotel no centro da cidade.

Chegando no hotel, fizemos checkin, nos instalamos e fomos passear pelo centro cívico e pela mitre (e procurar um lugar para jantar).

O centro cívico é lindo, visite de dia e a noite para fotos. Passeamos pela Mitre (algumas das lojas ficam abertas até 21 ou 22h todos os dias), localizamos as lojas que queríamos visitar, mas não entramos em nenhuma, apenas procuramos um lugar legal para jantar.

Acabamos entrando no La Marmita. É um lugar legal com comida variada, porém o preço é meio alto. Como estávamos num grupo de 6 pessoas, pedimos 2 fondues de queijo (queijo suíço muito amargo) e 1 fondue de chocolate (chocolate lá é sempre delicioso, mas não tinha morango) foi 200 pesos por dupla (enquanto jantávamos as pessoas festejavam na rua, eu acho que por causa de futebol).

Jantamos e voltamos para o hotel para descansar, acordaríamos cedo no outro dia.

Fotos:


Estrada em: Perdidos na Patagônia hehehe

O Lago

Hieloooo

Vista Maravilhosa

Vista no Circuito Chico

Ronan na neve

Centro cívico a noite

O amanhecer no lago

Catedral a noite, tenebroso. 

As cores mágicas e o lago

Reflexo

Lago em Villa La Angostura

Villa La Angostura

Alguns vídeos da viagem:
Vídeo 1
Vídeo 2
Vídeo 3

Leia mais sobre Bariloche:

O que fazer em 5 dias em Bariloche
Gastos em Bariloche
Preparativos para a viagem
Passeio em Buenos Aires e conhecendo Bariloche
Aula de esqui e passeio pelas estradas
Cerro catedral, circuito chico e cerro campanário
Vila La Angostura
Centro cívico, mitre e neve
Curiosidades
O que levar na mala

Um beijo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...