domingo, 7 de setembro de 2014

Cerro Catedral, Campanário e circuito chico em Bariloche

Bom, o que eu posso dizer? O título fala por si só... Tenho uma nova paixão: A Patagônia e a neve.

Veja como foi a minha viagem por Bariloche na Argentina. O que fazer em Bariloche, onde ir, quando ir, onde comer. A cidade que me conquistou, o lugar que me apaixonei. Lugar de pessoas educadas, de vistas de tirar o fôlego, onde se pode aproveitar tanto no inverno com a neve, tanto no verão.



Para mais imagens, clique aqui.

(essa viagem aconteceu em meados de 2012)

Dica de roteiro para meio dia em Bariloche:

- Suba no cerro Catedral no Cable Carril e deslumbre a vista
- Tome chocolate quente Milka no pé no cerro
- Faça o circuito chico completo
- Suba o Cerro Campanário
- Tome café na Abuela Goye
- Jante em Família Weiss

Meu diário de bordo passo a passo

Terceiro dia

A previsão do tempo era de sol (no site do cerro catedral sempre tem a previsão do tempo, a condição do tempo e da neve), o dia das fotografias com céu super azul e luz ótima.

Dia também de subir o cerro, todos os teleféricos estavam funcionando. Tomamos café, alugamos roupa (dessa vez só a calça. Dica: É possível alugar roupa para vários dias e ganhar algum desconto, pra gente não valia a pena porque só alugamos nesses dois dias).

Fomos novamente ao cerro catedral e, para nossa surpresa, havia nevado e o chão estava todo branquinho... Foi alegria geral... Todos brincando e rolando na neve.

Mas como o tempo era curto, voltamos a realidade e fomos em direção a subida. Pedimos informação para subir na parte mais alta, o Cable Carril.

Para apenas subir para conhecer e descer (sem esquiar) custa 120 pesos por pessoa. Sobe até uma parte num bondinho com capacidade para 25 pessoas (estilo metrô, super lotado) e lá em cima pega um teleférico de cadeirinha até o topo.

Na saída do teleférico tem um fotógrafo tirando fotos a 50 pesos, compramos uma e buscamos numa loja na Mitre à noite.

A vista é de tirar o fôlego e só as fotos podem falar por mim, então vejam as fotos e entendam porque estou sem palavras.

Lá a neve era fofa e dava para afundar nela. Deitei, fiz anjinho, guerra de neve, escorreguei e tudo que pude... Não queria mais voltar...

Tudo lindo demais. Mas hey, leve óculos de sol, não esqueça do óculos: sério.

Ficamos bastante tempo la, tirando fotos e aproveitando e, no final, a Arine resolveu me dar uma pedrada de gelo no pé... Doeu demais, mas estou bem hahahaha. E eu bati as costas num bloco de gelo, e isso doeu mais que a pedrada hahahaha).

Depois descemos de teleférico e tomamos um chocolate quente Milka no pé do cerro a 13 pesos. As meninas da Milka vivem entregando amostra de chocolate, é uma delícia.

Pegamos o carro e fomos fazer o circuito chico prolongado (indo até Llao Llao).
Uma vista mais perfeita que a outra. Achamos algumas trilhas no meio na mata que escondiam uma vista mais linda que a outra.

Passamos pelo hotel Llao Llao e continuamos o circuito chico. Ha uns 30km de Bariloche tem uma ponte com uma vista maravilhosa, pare o carro e tira umas fotos lá. Além disso, no canto é possível encontrar uma trilha até a beira do Lago, desça e aproveite a vista.

No final da ponte fica uma guarda de estrada, era 16h da tarde e ainda não havíamos almoçado, pedimos informação para ela de onde achar um restaurante. Ela nos disse para ir na vila suíça, porém, estava tudo fechado.

A gente até tentou conseguir almoço num lugar. Sabe essas cenas de filme que você diz: "não vai por aí seu idiota, você vai morrer". Fomos numa casa, no meio do nada, que era pra ser um restaurante. Tocamos um sino, batemos na porta e, uma pessoa muito suspeita, abriu a porta. Entramos sem esperar ele falar. Ele poderia muito bem ter acertado nossa cabeça com alguma coisa e ter feito coisas estilo "o albergue". Mas não estava servido mais almoço e ele não era um psicopata.

Então começamos o caminho de volta, mortos de fome. Uns 2km depois do cerro campanário achamos uma cafeteria deliciosa onde paramos para comer, chamada Abuela Goye.

Antes de sair o vendedor disse que TÍNHAMOS que subir no cerro Campanário ainda naquele dia porque o tempo estava ótimo, porém, faltava apenas 1 hora para fechar (pareceu familiar com uma cena do filme Terror na Neve?).

Saímos e voltamos até o local para subir. Subimos a 50 pesos por pessoa. A National Geografic classificou o cerro campanário como a sétima melhor vista do mundo.

E vale a pena mesmo. Estava sem neve, mas é uma vista 360 graus das montanhas, do lago... é lindo. A subida é por teleférico de cadeirinha. Como estava começando a anoitecer, ficava cada vez mais frio, e quem subiu o cerro sem luva queimou a mão, isso, o frio queima!

Descemos e voltamos ao hotel. O jantar desse dia foi no Família Weiss. Restaurante austríaco de comida variada e com show de tango. Saiu em torno de 230 por dupla com bebida e sobremesa. Voltamos pro hotel e la se foi mais um dia.

Todos os restaurantes, hotéis, lojas tem vários lustres de chifres de animais e animais empalhados. Além disso, muita gente usa casaco e cachecol de pele de animal, deprimente.

Fotos:

Estrada em: Perdidos na Patagônia hehehe

O Lago

Hieloooo

Vista Maravilhosa

Vista no Circuito Chico

Ronan na neve

Centro cívico a noite

O amanhecer no lago

Catedral a noite, tenebroso. 

As cores mágicas e o lago

Reflexo

Lago em Villa La Angostura

Villa La Angostura

Alguns vídeos da viagem:
Vídeo 1
Vídeo 2
Vídeo 3

Leia mais sobre Bariloche:

O que fazer em 5 dias em Bariloche
Gastos em Bariloche
Preparativos para a viagem
Passeio em Buenos Aires e conhecendo Bariloche
Aula de esqui e passeio pelas estradas
Cerro catedral, circuito chico e cerro campanário
Vila La Angostura
Centro cívico, mitre e neve
Curiosidades
O que levar na mala

Um beijo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...